1- Como surgiu e como funciona o premio Ecoera?

O Prêmio ECOERA tem como objetivo homenagear empresas de moda e beleza que se conectem com as questões sociais e ambientais. Em parceria com o movimento global Sistema B e apoio da Vogue, a cerimônia de premiação será dia 25/11 na faculdade Belas Artes. Estamos abrindo um novo capitulo na nos mercados de moda e beleza no Brasil.

2- Hoje muito se fala em sustentabilidade na moda e slow fashion, já nasceram marcas com a sustentabilidade como prioridade e que investem na produção local. Mas em paralelo a isso as grandes fast fashions começaram a pouco a chegar no Brasil causando euforia e até fila de espera. O que significa que grande parte dos consumidores brasileiros estão apenas agora vivendo a febre das fast fashions. Você acha que grande parte da população ainda não está pronta pensar e desacelerar seu consumo? Como quem trabalha como moda, pode entender e trabalhar esse cenário ambíguo?

Vivemos uma época de extremos e nessa equação quem escolhe a maneira de comprar e a marca de preferencia é o consumidor final através da transparência dessa relação.
Mesmo tendo maneiras diferentes de produção, tanto fast fashion quanto slow fashion terão que se mostrar de forma legítima e coerente para seu público.
Cada vez mais o consumidor vai precisar de certificações e origens, ou seja, vai querer saber onde, por quem e como foram feitas as peças que está adquirindo e vestindo. Nesse cenário, as marcas que estiverem alinhadas `as questões sociais e ambientais, sairão na frente.

olho_1

3- Quais marcas nacionais você acha que fazem um trabalho eco-friendly e pode indicar?

A boa notícia é que atualmente existem muitas e o mercado de empresas com práticas conscientes está crescendo em várias áreas como vestuário, acessórios, cosméticos e make up. Poderia destacar na setor de calçados, a Insecta Shoes pela ideia inovadora de reaproveitar vestidos vintage na produção de sapatos e a Vert Shoes, marca de tenis desenhados em Paris e fabricados no Brasil com borracha nativa do Acre, evitando desmatamento e promovendo as comunidades seringueiras da região.

Vert Shoes

Vert Shoes

4- Você já teve a marca Tarantula, que deixou de existir. Porque tomou essa decisão? Quais dificuldades você acha que novos estilistas e designers que estão criando sua marca e lojas acha que enfrentam hoje

Na época, questões como escassez de mão de obra especializada , altos custos e tributos, escala e distribuição dificultaram imensamente o desenvolvimento de uma pequena empresas como a Tarantula. Hoje em dia os problemas continuam porém com o trabalho do ECOERA e de todos os envolvidos nesse movimento, hoje existe um espaço fértil para empresas que queiram iniciar suas operações já integradas `a sustentabilidade ou empresas maiores que queiram lançar linhas com atributos relacionados ao meio ambiente ou aos projetos sociais.

5- Essa semana Suzy Menkes escreveu em sua coluna para vogue um texto intitulado “por que a moda está quebrando” no qual disse: As pessoas que mais sofrem com a moda em alta velocidade são sem dúvida as criativas, que são a alma e o coração de nosso setor. Sem elas, não há moda – apenas uma câmara de eco de ideias; nada verdadeiramente novo, apenas repetição vestida de invenção. Você concorda com ela? Acha que estamos vivendo uma crise que irá mudar radicalmente esse mercado no futuro?

Concordo que vivemos em uma época de opostos , de um lado uma moda fundamentada em grande escala e foco apenas no lucro. Esse quadro vem massacrando a criatividade. Mas por outro lado vivemos também um momento de transformação ligado `as questões sociais e ambientais, o que possibilita uma gama enorme de alternativas para o descarte, e essas práticas exigem muita criação.

> > Leia também:
Closet Detox | 9 perfis para seguir para quem está começando a
aderir ao estilo slow de viver e consumir

6- O público do nosso portal é formado por muitos estudantes e pessoas que trabalham no mercado de moda, para terminar poderia indicar algum livro que acha indispensável para entender a moda eco?

O livro ” Cradle to cradle” Criar e reciclar ilimitadamente do Michael Braungart, William McDonough, recém lançado em português mostra como a economia circular e como as empresas estão cada vez mais antenadas nas questões ligadas ao meio ambiente. É uma leitura obrigatória e muito interessante.