A pesquisa é do Centro de Tecnologia de Informação Aplicada da FGV-SP e garante que o comércio online se consolidou como atividade lucrativa em todo o Brasil

Hoje 70% das novas marcas de roupa ou possuem e-commerce próprio, ou participam de algum site de vendas multimarcas. Não importa se é via plataformas práticas como o Iluria ou até a Like Store, é definitivamente cada vez mas fácil encontrar empresas brasileiras que aderiram ao serviço de e-commerce.

shoponline

Só na última década, os investimentos no setor cresceram 127%, segundo pesquisa do Centro de Tecnologia de Informação Aplicada (GVcia) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV-EAESP). Falando só em 2013, o e-commerce movimentou R$ 28,8 bilhões no Brasil, com previsão de aumento de 20% para 2014.

d538337b322a27d6119d123f0e6b1329

A pesquisa também mostrou que o conceito está consolidado no país, sendo parte importante do mercado. Ou seja, você está fazendo isso certo! Em relação ao ano passado, houve crescimento tanto nas transações entre negócios quando nas transações negócio com consumidor. O tíquete médio dos clientes também aumentou proporcionalmente.

bigstock-Female-Fashion-Designer-Contem-37441801

>> Monjuá lança novo e-commerce
>> Muy Guappa lança e-commerce com entrega em todo território nacional

Tanto para lojas, como para o consumidor, o diferencial é o relacionamento e o atendimento com cliente. Esse aspecto pode ser determinante para uma compra de carrinho cheio ser finalizada. Além disso, a privacidade e a segurança são pontos extremamente importantes que também são apontados na pesquisa pelos consumidores, como também:

– chegar até o cliente de forma mais fácil;
– menos custos iniciais na abertura do negócio;
– contato próximo com os clientes;
– facilidades na escolha da peça, compra e recebimento;
– comodidade;
– atendimento de cidades do interior que tem menos opções;
– venda de produtos diferenciados.