Apesar da alta competitividade e de problemas estruturais, como questões de infraestrutura e de carga tributária, o mercado é mais promissor para quem está interessado em investir na moda hoje em dia do que no passado. A opinião é dos empresários Tito Bessa Jr., criador da TNG, e Anderson Birman, da Arezzo.

foto_fashion bubbles

Tito Bessa Jr., criador da TNG (Foto Fashion Bubbles)

Os dois participaram da nova edição do Encontro PME, evento que no último dia 3, em São Paulo, os rumos do mercado da moda e as oportunidades que o segmento reserva para quem já é empreendedor ou está interessado em se tornar um.

[quote style=”quote-style2″]”Eu acho que o ambiente é mais próspero hoje do que foi no passado. O mercado tem hoje muita competição, mas a competição foi saudável, é algo que faz com que as empresas se movimentem cada vez mais”, diz Tito Bessa Jr., que tem hoje 178 lojas da TNG, todas próprias, com produtos distribuídos também para 800 pontos de venda multi marcas.[/quote]

Mercado:
>>Brasileiros compra por impulso, segundo pesquisa
>>Como atrair clientes no ponto de venda
>>Por Trás da Vitrine

Anderson Birman, atual presidente do Conselho Administrativo da Arezzo, empresa que ele fundou há 43 anos e, desde o ano passado, é tocada por seu filho, Alexandre, vê como exemplo de um momento mais promissor o assédio de investidores sobre as marcas nacionais. “O mercado olha com mais facilidade para empreendimentos que no passado não despertariam esse interesse”, diz o empresário, ele próprio um beneficiário dessa nova conjuntura. Em 2007, Birman vendeu 25% do capital da Arezzo para um fundo de private Equity e, quatro anos depois, abriu o capital da companhia na Bolsa de Valores.

Anderson  Birman e o filho Alexandre Birman

Anderson Birman e o filho Alexandre Birman

Estilistas. A opinião dos dois grandes empresários, de certa forma, encontrou eco também nos demais convidados do Encontro PME. Para os estilistas, que participaram do terceiro módulo do evento, ao passo em que o mercado da moda está mais competitivo e, consequentemente, exigente, os profissionais que atuam no setor, sejam eles empreendedores ou não, despontam também como cada vez mais preparados.

E por “profissionais preparados”, o estilista Amir Slama destaca a necessidade de dominar recursos que vão além da formação criativa, ao contrário que se pensa do trabalho na moda. [quote style=”quote-style2″]”O estilista tem de ter a coisa do empreendedor”, explica ele. “A criação leva somente cinco minutos, enquanto que a execução leva horas e dias. (O estilista) precisa coordenar não só o desenho, mas a confecção, a estamparia.”[/quote]

É por essas e outras que Roberto Davidowicz, presidente da Associação Brasileira dos Estilistas (Abest), pontua que o mundo da moda não tem as portas abertas apenas para designers. Para ele, que também é sócio da marca UMA, há espaço em outras áreas. “Este é um setor muito dinâmico e o profissionalismo cresceu muito. A moda reserva espaço para gente da área de marketing, de vendas, gente de áreas estratégicas”, afirma.

Um exemplo que resume bem a configuração sugerida por Davidowicz vem dos irmãos Lourenço Bartholomei e Cecilia Prado, respectivamente diretor comercial e diretora da marca Cecilia Prado. Os dois atribuem aos conhecimentos distintos e complementares o bom desempenho do empreendimento – enquanto a irmã é especialista em moda, o irmão tem bagagem adquirida no mercado financeiro.

“A arte da criação é só a ponta do iceberg”, resume Bartholomei, para quem um estilista deve também ser um bom marqueteiro. “Têm marcas que não fazem um produto tão bom e, mesmo assim, fazem sucesso”, comenta.

Internet. Antes dos estilistas, o evento já tinha reunido em dois módulos distintos proprietários de lojas virtuais e fundadores de marcas de camisetas, um nicho com muitos competidores atualmente. Em comum entre eles, o fato de que ambos trataram da web como canal viável de distribuição para o consumidor final.

As fundadoras dos e-commerces OQVestir, Noiva nas Nuves e Dress & Go ressaltaram os desafios em iniciar uma operação na área. Apesar da popularidade que as lojas virtuais de roupas e acessórios têm atualmente pelo Brasil, convencer fornecedores sobre a viabilidade do negócio ainda é um obstáculo a ser considerado pelo empresário do ramo, dizem.

“(No início,) a gente teve um grande trabalho de brand (marca) para demonstrar aos fornecedores que íamos cuidar bem dos produtos”, afirmou Mariana Medeiros, que ao lado das sócias Rosana Saigh e Isabel Humberg lançou há seis anos o site OQVestir, negócio que mescla loja online a uma espécie de curadoria de moda.

oq vestir

A empresária hoje conta com investimento de fundos de capital de risco internacionais e emprega 125 pessoas. Em 2015 ela se prepara para romper a casa dos R$ 100 milhões em faturamento anual. Uma realidade muito diferente das três outras convidadas a participar do debate, as sócias Barbara Diniz e Mariana Penazzo, do Dress & Go, e Samantha Fasolari, do Noiva na Nuvens. Elas ainda tocam empreendimentos novatos (Samantha lançou o seu e-commerce há 30 dias), mas relatam problemas parecidos.

Para as sócias do Dress & Go, que aluga vestidos de marcas famosas, o desafio é fazer com o que a cliente confie na eficiência da operação sem provar o modelo antes. Um problema muito parecido com o de Samantha, que vende vestido de noiva pela internet. “Quando a menina vai casar, sua primeira preocupação é provar o vestido. O que estou lutando (para contornar o problema) é por entregar um vestido de muita qualidade e com preços mais baixos”, afirma a fundadora do Noiva nas Nuvens.

10336788_487668884666088_8453503782371838272_n

Camisetas. A onda de marcas especializadas em camisetas foi o mote para os debates do segundo módulo do evento. Três empresários do ramo participaram da discussão, Sandra Kempenich, da loja It’s Only Rock’n Roll, Henrique West, da Siamese, e Eder Lima, fundador da marca Humor Chique.

A importância da internet mais uma vez foi destacada, De acordo com o último relatório WebShoppers, realizado anualmente pela consultoria E-bit, 19% dos 88,3 milhões de pedidos em 2013 foram de roupas e acessórios no Brasil. “Eu acho que não importa o que você vai comercializar, sempre é preciso pensar na possibilidade de ter uma loja virtual, aconselhou Eder Lima.

O planejamento antes e durante a condução do negócio é um ponto que, para Sandra Kempenich e Henrique West, vale a dedicação do empreendedor.

“Mesmo que seja difícil se planejar, é importante. As pessoas precisam pensar nos piores e nos melhores cenários para que se consiga acertar um pouco do investimento inicial”, afirma Sandra. A ideia com isso não é apenas evitar eventuais erros de gestão, mas também contratempos de marketing e posicionamento da empresa. “Hoje, no mercado da moda, se você errar uma estampa, você derruba uma marca”, resume West.

Via Estadão