Estou aqui para contar de uma maneira mais poética um pouco do que a moda pode simbolizar em nosso dia a dia. Mas primeiramente gostaria de agradecer a Débora e a Gabriela pela oportunidade de escrever para o Fashion RS. Grazie ladies.

Não quero falar sobre a moda das passarelas, ou o que é hit da próxima estação. Quero contar sobre o que faz tudo isso acontecer. Imagina a semente de onde vem a moda. Pois a flor todos já viram, já falaram e já fotografaram de infinitas maneiras. Pretendo escrever para vocês um pouco sobre o paradeiro da moda. Onde já chegamos com ela e o que ela ainda irá nos proporcionar.

1525756_450757611717577_396238059_n_)ok

Vejo a moda como um laboratório em relação a tudo que acontece com a humanidade, não apenas uma roupa que te dá status ou algum tipo de qualificação perante a sociedade. Quero que você veja a moda como eu a vejo, tirando o máximo que se pode de sua essência.

1911635_484905174969487_1172277803_n_ok

Por isso, começo com a minha frase favorita, que sempre surge em minha mente quando leio ou escuto o poema de Fauzi Arap, declamado por Maria Bethânia:

 “A roupa te veste e a moda te despe”

Vale a pena lê-lo e depois desfrutar desse drama lindo que nossa Maria Bethânia trouxe com sua interpretação. Sei que você vai me entender.

Poema lido? Escutado?

Então pronto, limpe as lágrimas e vamos continuar o nosso assunto. Provavelmente você deve estar pensando “o que isso quer dizer”? Pois já lhe digo. Estamos falando da essência da moda, não é? E o que seria da moda sem seus meios externos?

Uma música, um poema, um artista, sua obra, um momento e por ai vai… A moda é influenciada e influenciável.

1601211_469814923145179_762340999_n_ok

Silenciosa, discreta e envolvente, a moda aparece muito antes das passarelas, ela vem com movimentos sociais e vem com inspirações de um futuro melhor. Ela vem sempre muito lenta, apesar de pensarmos que hoje está tudo tão rápido. Muita calma nessa hora. A moda não tem nada pré estabelecido, ela vem quando lhe convém. Sim, e você, eu e todos somos um pouco vítimas dessa moda que não nos avisa nada, e chega com uma onda gigantesca de informações.

Por isso que amo falar sobre o infinito da moda, o abstrato que ela define ou não na folha de papel. Temos um guarda roupas cheio de formas, texturas, proteções e palavras. O papel da moda, que pode ter a única ligação com a arte é o fato dela transmitir uma ideia e um conceito de uma pessoa desconhecida para outra, e atingir muitas com uma linguagem e tradução semelhante ou diferenciada, mas atingir.

Pode ser que você não acredite, mas a calça jeans que você usa hoje, diz muito mais do que apenas: “sou feita de algodão”. Quando o poema declamado finaliza com a frase “eu me dispo da notícia”, me questiono: será que nós somos capazes de viver sem esse algodão que nos conta segredos e grita verdades?

1454716_513203935472944_5665521206757456508_n_ok

Você não concorda comigo, nessa contradição linda da moda? Feita para vestir, ela está constantemente tentando nos despir. Para mostrar muito mais o que somos, ou gostaríamos de ser em formas, linhas, silhuetas, adornos, texturas e cores.

Se a moda influencia, que seja para a verdade, nua e crua.

Todas as imagens são do artista Adrian Mazzarolo

assinatura_luana