Um trabalho impecável. Ver ao vivo o que Eduardo Pombal, diretor criativo da Tufi Duek, criou para o inverno 2014 é gratificante. Talvez porque é, sim, um olhar novo sobre velhos olhares. E mesmo que o desfile já tenha sido apresentado há quase meio ano no SPFW ainda há o que se falar sobre ele.

Desfile Donna Fashion Iguatemi 2014

Sair do óbvio é o primeiro passo para criar uma coleção com personalidade e com efeito emocional. Por isso acho que Pombal atingiu nossos corações em cheio. Quando se fala em África, todas as imagens moldadas de etnicidade e, muitas vezes, um tanto de sofrimento nos vem à mente. Agora é a hora que os looks saharienne e os animal prints saem de cena.

A coleção é inspirada no trabalho do fotógrafo nascido em Bamako, no Mali, Malick Sidibé. As obras em preto e branco, refletem claramente os padrões que, em compensação ao silêncio das tendências citadas antes, são constantes. Sidibé foi um porta-voz de uma cena popular africana e da juventude “high society” de Mali na década de 60. Assim como nas peças das retratadas por ele, as modelos de hoje desfilam referências que ultrapassaram as 50 décadas que nos separam.

12 malick-sidibe-aout_1971_lr_large

Porém, de mais do que estampas é feita a coleção da label. Até porque ele consegue criar texturas tão gráficas na mistura de materiais, que desenha geometrismos com tecido, fios e ráfia. A lã é a matéria prima central, e quando acompanhada de seda, couro e da própria ráfia, desdobra-se em diferentes construções, pesos, texturas e shapes.

O presente do desfile, além dessas misturas que tem um efeito bem mais bonito na passarela do que nas minhas palavras, é o styling. A atualização de conceitos antigos – mas que são referência constante – não é fácil. E torná-los irresistíveis, diferentes e, ainda assim conceituais, é papel ainda mais difícil.

Fotos: Samuel Gambohan/Especial Portal FashionRS

 

DFI 2014 | Homofobia é muito cafona – o inesquecível desfile da Louloux
DFI 2014: O verão carioca da Enjoy esquenta o inverno do sul

É essa combinação entre uma modelagem atualizada, mas claramente inspirada na década de 50, vestidos leves e sensuais sem perder o africanismo – graças aos recortes inspirados na joalheria africana, e ainda as recém chegadas às ruas saias-midi-godês com acessórios em osso, palha e couro que dão ainda mais riqueza às criações e ao conjunto.

Favoritos: Looks midi de ráfia, muitas franjas, efeito tribal, essência chique, acabamento sensual, tom neutro que não é nada minimal.

Desfile Donna Fashion Iguatemi 2014